CONFRARIA DO SABER

A semântica das mães

18 setembro * E assim foi… durante hora e meia, a escritora Teresa Alvarez discorreu sobre a importância da figura materna e de que forma se transpôs para a arte o vínculo quase transcendental que temos com quem nos gerou, nutriu, e  expulsou para o mundo. Na literatura, Teresa Alvarez abordou as diferentes perspectivas marcadas em cada corrente: a mãe confidente e guardiã do cancioneiro trovadoresco, a mãe mulher anjo e tentadora do renascimento, a mãe confidente, submissa e amiga do romantismo, e a mãe, mulher com desejos e pulsões, do realismo. A mãe na pintura, na arte sacra, no grande ecrã… A mãe, em todo o seu âmago, semente e vida, que planta e rega, ou que colhe sem piedade. Uma verdadeira elegia à mãe, que marcou mais um encontro da Confraria.

“Começamos por ser parte absoluta do corpo da nossa mãe… Dela recebemos os nutrientes e os humores.

O nosso pequenino coração acerta o ritmo pelo coração dela. Estamos totalmente reclusos mas ao mesmo tempo protegidos em tão sedutora abóbada. E eis então que nascemos… e a voz da nossa mãe será o primeiro som e o seu cheiro será o primeiro aroma e o nosso primeiro alimento será a primeira pulsão erotizada do nosso pequenino corpo.

A tesoura cortará o cordão umbilical? Pura ficção, porque andaremos sempre amarrados a ela, ao seu colo ou com ela às costas. Amamo-la, odiamo-la, mas quando a perdemos de vista seremos capazes de virar o mundo às avessas para encontrarmos de novo o seu olhar. O seu calor. A toada da sua voz…

E mesmo depois da partida definitiva ela viajará na nossa corrente sanguínea e continuará a ser o nosso alimento…a nossa bússola…

Por que as mães são flautas que deixam notas de música nas paredes da casa…”

Teresa Alvarez

Teresa Alvarez

“Nasci em lisboa mas o meu país é o mundo.

Sou  mãe , professora e escrevo livros.

O meu maior devaneio são as palavras… Com elas construo  paredes, aquedutos ,contrario teses e invento antíteses.

O meu traço distintivo será sempre esta mania peculiar de andar pelas ruas e colecionar frases e olhares e depois fazer com eles mantas de retalhos com que me agasalho e encho as páginas dos meus livros…

Como as pessoas são muito curiosas e gostam muito de saber o que andamos a fazer, posso afirmar que estou sempre em trânsito para todos os  pensamentos, para todos os amigos, para todas as palavras…

E até que os deuses consintam continuo  sendo  mãe , professora , escritora e  avó…

Quando  morrer, se não  levarem a mal em vez de flores quero poemas.”

Livros da autora

E se de repente outra voz “, romance, editado pela CAMINHO

“E a mulher sentou-se tal como foi determinado e após ela outras chegaram, mães anónimas de lábios vazios, perdidos que tinham todos os alfabetos. À sua direita uma mulher franzina dizia baixinho por entre os lábios como se apenas falasse consigo mesma…”

Do tempo e Do silêncio“, poesia, editado pela CAMINHO

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 25/09/2012 by .

Navegação

%d bloggers like this: